Eduardo Marinho: realidade, sentimento e a falsa inferioridade

Eduardo Marinho realidade, sentimento e a falsa inferioridade

Nascido numa família de classe média, Eduardo Marinho tinha uma vida confortável e abastada. Ele passou num concurso do Banco do Brasil, depois entrou na escola militar e, finalmente, foi aprovado na faculdade de direito – mas estava profundamente angustiado. Foi então que largou tudo para procurar um sentido para vida. Chegou a morar na rua e a dormir numa cama de papelão, mas encontrou a felicidade na simplicidade.

Os questionamentos de Eduardo começaram ainda na infância, quando ele foi com a sua mãe até a uma favela onde ela pagava uma promessa distribuindo comida para os necessitados. O pequeno Eduardo ficou chocado com a miséria que descobriu naquele dia e começou a perguntar por que algumas pessoas deviam viver assim.

A sua angústia só aumentava a cada passo da jornada que se seguia: qual o sentido daquele trabalho no Banco do Brasil? Por que ele devia reprimir manifestações populares quando estava no exército? Como os militantes do movimento estudantil não conheciam os pobres de quem eles tanto falavam?

Cheio de dúvidas, Eduardo largou tudo e foi viajar pelo Brasil sem dinheiro e deserdado pela família. No caminho encontrou respostas para muitas das suas dúvidas e adquiriu uma maneira muito particular de descortinar o mundo e procurar uma vida mais justa.

Mesmo para quem não pretende largar tudo de uma forma radical, como o Eduardo, as suas histórias trazem reflexão e apontam caminhos e possibilidades.

Créditos do vídeo para: TV GAMBIARRA

Fonte:

https://www.facebook.com/anonymous.3avisao/videos/989953427735782/

Anúncios