Fukushima: Um Desastre Nuclear de Proporções Épicas

fukushima-3Olá a todos os caros leitores.

Estamos mais uma vez de volta com o terrível assunto de Fukushima. Esta catástrofe sem precedentes no nosso planeta, foi arquitectada por humanos criminosos, a infame Cabala, e ao contrario do que muitos pensam, NÃO SE DEU NATURALMENTE.

Sabemos bem que tecnologias do tipo HAARP, bem como engenhos atómicos, etc, foram empregues, com vista a dar cabo de um magnifico país e da sua cultura. As razões para tal gesto monstruoso, estão ainda sob um véu de obscuridade, mas segundo algumas fontes, a tentativa de extorquir fundos ao Japão, e a sua recusa em ceder ás exigências da Cabala, originaram um acto de vingança atroz sem precedentes!! Parece-me que hoje em dia ,as altas negociações entre os estados, não passam de ultimatos e ameaças ao estilo gangster ou mafioso!! É uma pena que assim seja…

O Japão corre o risco de se tornar INABITÁVEL, pois em dois anos e meio, nada se fez para minimizar o desastre.
O governo japonês traiu o seu povo, omitindo esta verdade cruel!! Já faleceram milhares de pessoas, e pergunto:
Quantos mais seres humanos serão preciso sacrificar para que as massas se unam e tomem consciência da ameaça
que paira sobre todos, não importando se são negros, brancos, muçulmanos, cristãos, índios, etc!!!

A nossa espécie está gravemente em risco, como também este maravilhoso planeta! É tempo de acordar ,juntar forças, e recusar a continuar a viver uma realidade insana e doentia! Pela Luz, amor e paz é o caminho a seguir, e assim será !!!

Abraço, Simon LB.

O Síndrome da China transforma-se no “Síndrome do Japão”

Nunca antes na era moderna a humanidade foi confrontada com um desastre nuclear como o de Fukushima. Na verdade, o Japão tornou-se o local da maior catástrofe nuclear da história, e que tem desafiado as inúmeras tentativas de resolução. Apesar de se ter imaginado tal situação a ocorrer na China, o Japão experimentou o ” Síndrome da China ” real – uma crise nuclear apocalíptica. Mais uma vez, o Japão é o local de um evento atómico paralelo cujo resultado não tem fim à vista.

Antes do evento nuclear ter ocorrido, uma vasta área em torno de Fukushima foi proferida como praticamente inabitável pelo terremoto, maremoto e o consequente tsunami. Aqui está um relato da destruição de vida e propriedade causada pelo cataclismo natural, que nunca foi relatado na mainstream media (MSM).

“Um total de 196.559 edifícios foram destruídos ou danificados. Cerca de 27.000 pessoas foram mortas. Mais de 460 mil ficaram as suas casas e procuraram refúgio em abrigos. Isto incluiu 150 mil da província de Miyagi, 47.000 em Iwate e 130 mil na Prefeitura de Fukushima. Nos três primeiros dias após o desastre, as Forças de Defesa do Japão (o exército japonês) resgataram 66 mil pessoas , muitas delas presas em montes, telhados e entre os escombros. Alcançá-los por terra era tão difícil que muitos tiveram que esperar para serem resgatados por helicóptero, o que limitaria o resgate em poucas pessoas de cada vez. Milhares de outras pessoas foram evacuadas das suas casas devido à crise na usina nuclear de Fukushima”.

O terremoto e o subsequente tsunami de Março de 2011 não só devastou a costa nordeste da ilha de Honshu, como também desencadeou uma série de incidentes nucleares, alguns dos quais nunca foram declarados. Esses vários incidentes parecem ter ocorrido na mesma janela temporal a fim de garantir a gravidade da catástrofe que a humanidade deve agora enfrentar.

Estes eventos continuam a reverberar com consequência incríveis até ao dia de hoje, e assim continuará num futuro previsível. Parece que a mensagem que essas consequências transmitem ainda não foi ouvida, ou entendida pela civilização que criou este “drama nuclear. No entanto, enquanto ela passa despercebida, o desfile de problemas aparentemente insolúveis continuará a aparecer sem ceder.

Fukushima não é nada como Chernobyl, é muito pior!

Todos nós já ouvimos até agora as muitas comparações com o desastre nuclear de 1986 em Chernobyl, na Ucrânia. Enquanto que esse foi um acidente nuclear grave, Fukushima é muito mais grave. Fukushima não é apenas extremamente mais difícil de gerir em tempo real, como apresenta desafios de remediação actuais e futuros que vão muito além da capacidade do Japão para lidar de forma significativa.

O que torna Fukushima a mais formidável de todas as catástrofes nucleares?

Assim como o derramamento de petróleo da BP em 2010 no Golfo do México, o destino de Fukushima diz respeito directamente há contaminação da água, uma vez que continua a afectar uma grande parte da água. Não apenas qualquer segmento de água, mas a maior parte da água na Terra. O mundo assistiu com horror como toneladas de água radioactiva foram despejadas ao largo da costa de Honshu apenas para ser levada para onde o Pacífico decidisse transportá-la através das suas correntes oceânicas, tanto superficiais como profundas.

É esta interacção com a água que faz com que este desastre nuclear seja tão único e problemático. A única maneira de resfriar o núcleo e as hastes é com água. A água, então, tem que ser armazenada até que a radioactividade possa ser devidamente tratada. Só que o volume de água de refrigeração necessária é muito superior há capacidade da TEPCO para lidar de forma efectiva.

A localização do Japão no Anel de Fogo é o mais sismicamente activo do planeta.

Os terremotos têm fracturado a paisagem do Japão e a sua topografia submarina em redor por décadas, talvez até séculos. O resultado óbvio de tanto sustentar terremotos de 5.0 ou mais é que a geologia foi fracturada e fissurada, rachada e cravada como nenhum lugar na Terra. Quando duas grandes placas tectónicas colidem…

“O terremoto de Tohoku em 2011 atingiu a costa do Japão ao longo de uma zona de subducção, onde duas placas tectónicas da Terra colidem. Numa zona de subducção, uma placa desliza sob outra em direcção ao manto, a camada mais quente sob a crosta. As grandes placas colidem e escorregam, causando terremotos. No leste do Japão, as placas do Pacífico mergulham sob a já desgastada placa Eurasiana. Um estudo recente descobriu que o tremor libertou completamente o stress acumulado durante séculos entre as duas placas tectónicas”.

O verdadeiro enigma subjacente a esta situação é que não há trégua na frequência ou na gravidade dos tremores de terra, tanto terrestres e subaquáticos, que continuam a atacar as quatro principais ilhas do Japão. Portanto, as “fracturas e fissuras” só vão piorar o que irá traduzir as inúmeras oportunidades para o lençol freático, águas subterrâneas e outros suprimentos de água para tornar-se irreversivelmente contaminados com radioactividade.

À luz da geologia fracturada em torno de Fukushima, os vectores de disseminação de água radioactiva são numerosos e profundamente difíceis de controlar. Quando a água subterrânea está contaminada, irá sem dúvida contaminar toda a terra e água que entrar em contacto esta fonte no decorrer do seu percurso influenciado pela topografia e gravidade.

Screen-Shot-2013-09-22-at-6.32.34-PM

O maior desconhecimento neste cenário em andamento é o grau de fissura horizontal da terra que providenciaria condutas para que a água se move-se horizontalmente ao redor da ilha de Honshu. Mesmo o fraturamento vertical pode levar a aberturas e canais que, em última análise, desviariam a água contaminada para lugares distantes e longe de Fukushima, e possivelmente para mais perto de áreas com maiores densidades populacionais.

Qual a quantidade de água contaminada a que nos estamos a referir?

“400 toneladas de fluxo das águas subterrâneas nos prédios dos reactores numa base diária é misturada com a água radioactiva. […] 300 toneladas de águas subterrâneas ainda fluiriam para os prédios dos reactores a cada dia, mesmo após TEPCO começar a bombear a água através dos poços “.

É uma grande quantidade de água. E as realidades práticas de lidar com um volume tão grande choca a imaginação. É precisamente por isso que TEPCO está completamente mal equipada para lidar com este e outros aspecto extraordinário deste desastre. Não só a gestão nunca concebeu (ou planeou) um colapso sistémico, a TEPCO com a sua natureza corporativa avalia o minimizar tanto os custos como os espectáculos nas relações públicas que podem afectar a sua rentabilidade e a percepção pública. Por conseguinte, a Tepco passou muito lentamente, e muito cautelosamente sobre uma série de frentes exigentes.

A única maneira de compreender plenamente a lamentável falta de resposta a este desastre global é entender a cultura corporativa da TEPCO, bem como entender a relação extremamente disfuncional entre o governo do Japão e a TEPCO. Aqui reside a resposta para muitos dos erros, falhas de comunicação, mal-entendidos e desinformação a respeito deste desastrosa EMERGÊNCIA nuclear.

” A indústria nuclear e um público compatível criaram um monstro cuspidor de fogo que não pode ser forçado a voltar para a sua caverna. Apenas um ano após o acidente, estimou-se que 30.000 trabalhadores tinham sido expostos a uma quantidade de radiação “significativa”no FNPP. A Tepco está tão desesperada com os trabalhadores que já tem planos em exigir aos seus 100 mil funcionários para trabalhar duas ou três vezes por ano no FNPP. Enquanto essa política está a ser proposta, descobre-se que a deterioração das condições actuais no local estão a causar o abandono do local pelos trabalhadores.”

trabajadores_de_tepco

Muitos paralelos entre a crise de Fukushima e o vazamento de petróleo no Golfo

O governo japonês também tem uma grande responsabilidade na falta de resposta a este desastre nuclear e há catástrofe nacional. Eles seguiram o mesmo plano que o Governo dos EUA executou durante o derramamento de óleo da BP no Golfo do México.

Da mesma forma, o governo japonês tomou as mesmas medidas de abordagem, embora muitas vezes eles tenham (des) apresentado uma total resposta e empenho. Infelizmente, a cultura japonesa não lida com o fracasso muito bem. Uma falha especial que revela uma negligência e irresponsabilidade sistemática. Afinal de contas, a empresa que construiu 55 usinas nucleares em todo o Japão, com 12 unidades adicionais em vários estágios de desenvolvimento, nunca deveria ter chegado tão longe sem as avaliações de risco adequadas.

Mesmo uma auditoria informal das instalações de energia nuclear ao redor do Japão revelou problemas críticos, qualquer um dos quais poderia ter sido suficientemente grave para suspender ainda mais a construção da planta. A este respeito o governo falhou redondamente. Além disso, pode-se dizer que o clima político prevalecente no Japão promoveu um ambiente de inércia, negação e apatia.

Este é o contexto no qual a catástrofe de Fukushima se desenrolou. E não ficar melhor, ele só parece piorar. Por exemplo, consegue imaginar a construção de uma parede de gelo para conter a radioactividade de se espalhar para o mar e pelo meio ambiente?

Enquanto que tal mero curativo poderia funcionar como uma medida preventiva, é sobrevalorizada o quão longe Japão se encontra em águas desconhecidas – sem uma bússola, ou um mapa, ou até mesmo um timoneiro. Por causa do vazamento incessante de água contaminada vale a pena tentar qualquer solução rápida. No entanto, quando a sua implementação recai sobre a maneira de abordar as questões muito mais urgentes, talvez seja hora de admitir as inadequações e solicitar assistência.

Há muitos outros exemplos que demonstram que o Japão como nação está completamente fora no que toca em em lidar com Fukushima. E a propósito, o mesmo poderia ser dito de qualquer outro país confrontado com um conjunto formidável de complexidades e complicações, desafios e obstáculos. Este grupo de pesquisa (CCRG) está plenamente consciente de que a gravidade desta catástrofe nuclear exije nada menos do que um Projecto Global de Manhattan. Já solicitámos tal iniciativa internacional no nosso artigo anterior.

DHDkyNl1

Onde é que a TEPCO irá despejar os milhões de toneladas de água contaminada, a não ser no mar?

Talvez esta questão, mais do que qualquer outro, ilustra o quão grave esta situação é realmente!

Certamente que o CCRG não tolera o despejo maciço desta água no Pacífico. No entanto, deve salientar-se que não existe qualquer outra solução viável neste momento. Depois de dois anos e meio, os maiores desafios que o Japão enfrenta com esses reactores não estão nem perto de serem cumpridos.

Deveria de haver uma minimização dos efeitos dos radionuclídeos dispersos no arna sequência da explosão da usina Daiichi. O césio-137 que foi lançado a partir de 11 de Março tem uma esperança de vida de pouco mais de 30 anos. Isso significa que ele vai ter efeitos a longo prazo e profundos sobre os organismos vivos, dependendo do seu nível de exposição. A duração dessa exposição será um factor determinante na avaliação dos efeitos adversos sobre a vida humana.

“A sua semi-vida de cerca de 30 anos, é tempo suficiente para que os objectos e as regiões contaminadas pelo césio-137 continuam perigosas para os seres humanos para uma geração ou mais, mas é suficientemente curta para assegurar que quantidades relativamente pequenas de doses perigosas de césio-137 libertem doses perigosas de radiação (a sua radioactividade específica é de 3,2 × 1012 Bq / g).”

Este vídeo retrata a modelagem da potencial dispersão aérea de césio-137 em todo o mundo logo após a ocorrência dos acidentes:

▶ Fukushima Daiichi Cs 137 dispersion model from NOAA – YouTube

Qualquer dúvida sobre o césio-137 ser uma forma perigosa de composto radioactivo são respondidas no seguinte link ( Césio: Radiation Protection from EPA ). É um dos produtos mais comuns de fissão pesados e, portanto, pode vir a ser a fonte de maior divulgação de radionuclídeos da usina nuclear em Fukushima. Consequentemente, todos os visitantes que passem no Japão são aconselhados a estar cientes das versões anteriores, os riscos presentes e futuras eventualidades associadas há dispersão do césio-137, tanto no ar como nas ilhas.

Screen-Shot-2013-09-22-at-10.28.23-AM2

De Hiroshima para Fukushima

Do ponto de vista psico-histórico, a pergunta deve ser feita: porque é que o Japão permitiu que a situação se desenvolvesse a este ponto? Especialmente devido aos acontecimentos ocorridos no passado em Hiroshima e Nagasaki?O Japão deveria ser o último lugar para uma experiência nuclear tão arriscada.

As quatro principais ilhas do Japão são obviamente o último lugar para uma tecnologia tão perigosa e instável, então porque eles fizeram isso? Ou melhor, porque é que os EUA venderam através da General Electric esses reactores nucleares inerentemente defeituosos para o Japão em primeiro lugar? Não que essas falhas de projecto fossem fazer qualquer diferença depois do terremoto de 9,0 e do tsunami de 45 metros de altura.

A verdadeira questão é que deve ter havido tantos estímulos extraordinários ou coerção excepcional utilizada no processo de impingir energia nuclear num país que já sofreu tanto com duas bombas atómicas. O texto a seguir explica mais um pouco da história infeliz que levou a esta tragédia em curso.

Uma Carta Aberta ao Povo do Japão

” Muito propositadamente, ninguém nunca parou para considerar as implicações óbvias e as ramificações a longo prazo de construir 55 reactores nucleares na parte mais sismicamente activa no planeta Terra! E, que não conta com mais 12 reactores em vários estágios de planeamento ou desenvolvimento.”
– Carta Aberta ao Povo do Japão

Aqui está uma foto da costa litoral japonesa após o terremoto e o tsunami:

article-0-0B2B739300000578-312_964x605 (1)

Esta é uma foto de Hiroshima logo após a primeira bomba atómica ter sido lançada sobre o Japão:

destruction-2_1456832i

Claro que onde o terremoto e o tsunami foram responsáveis pela destruição da costa de Honshu, a catástrofe nuclear continua a causar estragos na sua maioria sob formas invisíveis e desconhecidas. No entanto, este evento nuclear inescrutável alterou para sempre a paisagem e marinha por causa da contaminação implacável tanto da água do mar como das águas subterrâneas.

Portanto, é o transporte dessa água que irá determinar as últimas consequências da calamidade de Fukushima. Onde esta água acaba e como a natureza processa a contaminação são as grandes questões. Parece que o Oceano Pacífico é grande o suficiente para permitir que o ‘sequestro’ e / ou ‘correcção’ de grandes concentrações de radioactividade. No entanto, onde quer que haja vida, a água contaminada vai mudar para sempre (leia mutação) aqueles organismos que vivem nos níveis mais básicos da sua existência física.

Quanto grave é a situação de Fukushima…realmente?

Aqui estão três avaliações recentes de uma das questões mais pertinentes e consequentes que a TEPCO eo governo japonês enfrentam, tal como o povo do Japão e o resto do mundo.

JAPAN NARROWLY MISSED 14 NUCLEAR MELTDOWNS

Fukushima Disaster Reaches Epic Proportions

Humankind’s Most Dangerous Moment: Fukushima Fuel Pool at Unit 4. “This is an Issue of Human Survival.” | Global Research

Yale Professor: Fukushima Unit 4 pool in perilous condition — “All of humanity will be threatened for thousands of years” if not able to be kept cool — Danger of collapse during storm or while attempting removal of fuel rods

Fukushima Forever | Charles Perrow

A citação a seguir foi retirada do artigo anterior intitulado “Fukushima para sempre”. Ele resume exactamente os perigos imediatos e os riscos associados com apenas um aspecto deste desastre:

“Muito mais grave será o perigo da piscina de combustível gasto no topo da planta nuclear número quatro que entrará em colapso numa tempestade ou terremoto, ou uma tentativa fracassada de remover cuidadosamente cada uma das 1.535 varas e transportá-las com segurança para a piscina de armazenamento comum com 50 metros de distância. As condições na piscina da unidade 4, a 100 metros do chão, são perigosas, e se qualquer uma das hastes lhe toca, poderá causar uma reacção nuclear que seria incontrolável. A radiação emitida a partir de todas estas hastes, se não forem continuamente refrescadas e mantidas em separado, exigiria a evacuação das zonas circundantes, incluindo Tóquio. Por causa da radiação no local as 6.375 varas na piscina de armazenamento comum não poderiam ser continuamente refrigeradas; elas iriam romper e toda a humanidade estaria ameaçada por milhares de anos”.

O mesmo artigo menciona a possibilidade de Tóquio ser evacuada se as coisas corressem mal com a piscina de combustível irradiada em cima do n º 4. Que tal possibilidade sequer exista, só indica que a comunidade global não está a levar esta crise nuclear a sério.

TEPCO-Handout-Fuksuhima-Reactor-4-Image

Se eles fossem a considerar as ramificações de longo alcance de tal resultado, conforme descrito no artigo seguinte, talvez a vontade colectiva e os meios se materializariam rapidamente para enfrentar os presentes desafios.

“Tóquio tem a maior população no mundo com cerca de 34,3 milhões. Tóquio tem o maior PIB de todas as grandes cidades do mundo – maior do que Nova York e Londres. Tóquio é a capital económica / financeira da terceira maior economia nacional do mundo, bem como o motor económico primário da Ásia Oriental “.

Conclusão:

Quantas vezes já perguntámos:

“Alguém no seu perfeito juízo acredita que as usinas nucleares jamais poderiam ser desenhadas, projectadas e construídas para resistir a terremotos de 9,0 seguido por tsunamis com 15 metros de altitude? Desculpem se ofendemos, mas tal demonstração de uma combinação tão mortal de ignorância e arrogância representa o cúmulo mais extremo. Especialmente tendo em vista as consequências inevitáveis que se manifestaram em Fukushima, como é que tão poucos viram este resultado pré-ordenado e desastroso, excepto por cegueira voluntária?”

A questão anterior ainda tem que ser respondida pela geração da indústria de energia nuclear. Sem dúvida alguma que Fukushima apresentou-se com tamanha urgência e formidabilidade, que toda a civilização planetária virá a enfrentar este paradigma energético de falhanço total. As questões colocadas influenciam necessidades existentes. É por isso que não há espaço de manobra. Isto não parece melhorar, só parece piorar e parece estar cada vez mais desafiante.

70495bff-s

Assim como o derramamento de petróleo da BP no Golfo revelou tanta destruição ao habitat global, ocorrendo no fundo do oceano 24 horas por dia, Fukushima revelou muito do que se passa em volta do domínio da energia nuclear. O “acidente” e os posteriores mini desastres foram todos revelados como factos críticos.

“Há agora um entendimento geral de que o estado da arte da geração de energia nuclear é tal que foi considerado como um falhanço profundo e fundamentalmente perigoso desde o começo”.

Cosmic Convergence Research Group
enviado: 22 de Setembro de 2013
cosmicconvergence2012@gmail.com

Não podemos enfatizar mais o quão terrível Fukushima se tornou. Não há nenhuma indicação de que a comunidade internacional veja o desastre como um problema global. Claramente, toda a situação tornou-se num jogo político radioactivo de tal forma, que existe medo em encará-lo, quanto mais confrontá-lo.

O Japão não tem a capacidade de enfrentá-lo. Eles sabem disso, e os EUA também. Assim como a Agência Internacional de Energia Atómica, a Comissão de Regulação Nuclear e toda a indústria de energia nuclear. Naturalmente, as Nações Unidas e a Organização Mundial da Saúde estão bem conscientes.

“Portanto, parece que as pessoas do mundo devem de se fazer ouvir. Só um movimento das massas vai obrigar a quem está no poder a aproveitar o dia, enquanto ainda há um para aproveitar.”

A única outra explicação para a óbvia falta de iniciativa por parte da estrutura de poder global fica com o Relatório da Iron Mountain.

Se nada mais, este texto (e muitos outros como ele na internet) fornece evidências suficientes para a comunidade mundial para re-visitar o paradigma da energia nuclear.

Particularmente tendo em conta a aceleração irrefutável das avarias tecnosféricas mundial, fica a indústria de geração de energia nuclear obrigada a fechar definitivamente as muitas plantas precárias em todo o mundo.

Ponto de facto: O stress normal, e o desgaste 24 sob 24, que a energia atómica produz num reactor nuclear têm reduzido substancialmente o tempo de vida previsto das plantas físicas.

Quando você sobrepor muitos outros co-factores, tais como materiais de qualidade inferior de construção e peças de equipamentos, processos e procedimentos, bem como outras variáveis desconhecidas, como a mudança climática global, é fácil (muito) para entender como uma tempestade perfeita pode ser criada a qualquer momento. Ser consciente do facto de que existe muito menos espaço para erros no negócio de armas nucleares, como o meio ambiente no mundo inteiro a sofrer danos irreparáveis para as gerações vindouras, só existe uma resposta aceitável.

Cabe aqueles que estão em posições de autoridade em agir, e agir agora antes que outra costa se torne em outro “Fukushima”. Ou uma outra terra se torne vítima de outro “Chernobyl”.

Esperamos sinceramente que a mensagem tenha sido perfeitamente clara a este respeito. Afinal, é o próprio futuro do planeta que está em jogo.

Texto traduzido a partir da seguinte fonte:

http://cosmicconvergence.org

Anúncios