Vazamento De Fukushima Revela-se Bem Pior Do Que Se Pensava

radioaktivitaet-fukushima-ia-14586-20130711-71Um especialista nuclear disse à BBC que acredita que os actuais vazamentos de água em Fukushima são muito piores do que as autoridades afirmaram.

Mycle Schneider é um consultor independente que já havia avisado o governo francês e alemão.

Ele diz que a água está a vazar por todo o lado e não há números precisos para os níveis de radiação.

Enquanto isso, o presidente da autoridade nuclear do Japão afirmou temer a possibilidade de futuros vazamentos.

Os problemas actuais na usina de Fukushima aumentaram nos últimos dias, quando a Tokyo Electric Power Company (Tepco) admitiu que cerca de 300 toneladas de água altamente radioactiva vazou de um tanque de armazenamento.

Momento de crise

A vigilância da energia nuclear japonesa aumentou o nível de incidente de um para três na escala internacional que mede a gravidade de acidentes nucleares.

Este foi um reconhecimento de que a usina estava na sua maior crise desde que os reactores derreteram depois do tsunami em 2011.

Mas alguns especialistas nucleares estão preocupados que o problema seja muito pior do que a Tepco ou o governo japonês está disposto a admitir.

Eles estão preocupados com as enormes quantidades de água usada para resfriar os núcleos dos reactores, que estão a ser armazenados no site.

Cerca de 1.000 tanques foram construídos para segurar a água. Mas acredita-se que eles estão a 85% da sua capacidade e todos os dias são adicionados cerca de 400 toneladas de água nesses mesmos tanques.

“A quantidade de água com que estão a lidar é absolutamente gigantesca”, disse Mycle Schneider, que fez uma ampla consulta para uma variedade de organizações e países sobre questões nucleares.

“O que é pior é a água estar a vazar por toda a parte – e não apenas dos tanques. Está a vazar pelos porões, está a vazar pelas fissuras por toda a parte. Ninguém pode medir isto…

Aumento no armazenamento de água radioactiva em Fukushima

_69414872_fukushima_timeline_624Imagens de satélite mostram como o número de tanques de armazenamento de água tem aumentado nos últimos dois anos. Os tanques de armazenamento da água contaminada que tem sido utilizado para arrefecer os reactores.

“É muito pior do que temos sido levados a acreditar, muito pior”, disse Schneider, que é o autor principal dos relatórios sobre a Industria Nuclear Mundial.

Na conferência de imprensa, o chefe de da autoridade de regulação nuclear do Japão, Shunichi Tanaka, apareceu para dar crédito às preocupações do Sr. Schneider, dizendo que temia que houvesse mais vazamentos.

“Devemos assumir que o que aconteceu uma vez pode acontecer de novo, e que temos que nos preparar para mais. Estamos numa situação em que não há tempo a perder “, disse aos repórteres.

A falta de clareza sobre a situação da água e as contínuas tentativas da Tepco para negar que a água estava a vazar para o mar tem irritado muitos pesquisadores.

Dr. Ken Buesseler é um cientista sénior da Woods Hole Oceanographic Institution, que examinou as águas à volta de Fukushima.

“Isto está longe de terminar, Chernobyl foi em muitos aspectos um evento que durou uma semana, nada comparado como o potencial deste calibre no oceano.”

“Nós temos dito desde 2011 que havia vazamentos no local, fossem dos edifícios e as águas subterrâneas ou estes tanques de novas versões. Não há maneira nenhuma de realmente conter toda esta água radioactiva no local.”

“Uma vez que se entra na água do solo, como um rio que flui para o mar, você realmente não pode parar um fluxo de água subterrânea. Você pode bombear a água, mas quantos tanques é que você pode continuar a colocar no local?”

Vários cientistas também levantaram preocupações sobre a vulnerabilidade da enorme quantidade de água armazenada no local para um outro terramoto.

Contaminação da água subterrânea em Fukushima

_69415268_fukushima_groundwater_v2As águas dos tanques de armazenamento infiltraram-se em águas subterrâneas e, em seguida, para o mar. Os esforços para utilizar uma barreira química para evitar a contaminação do mar não funcionaram.

Novas preocupações com a saúde

Os problemas de armazenamento são agravados pela contaminação da água do solo, correndo para baixo das colinas circundantes. Ela mistura-se com água radioactiva vazando dos porões dos reactores e, em seguida, vazando no mar, apesar dos melhores esforços da Tepco para conter o fluxo.

Alguns dos elementos radioactivos, como césio, podem ser filtrados pela terra. Outros elementos radioactivos estão a conseguir passar e isto preocupa os especialistas que acompanham a situação.

“A nossa maior preocupação agora é se algum dos outros isótopos, como o estrôncio 90, que tende a ser mais móvel, passa por estes sedimentos na água subterrânea”, disse Buesseler.

“Quando estes isótopos entram no nosso oceano, e ao acumularem-se em mariscos vão causar novos problemas de saúde.”

Há também preocupações sobre as barras de combustível nuclear irradiado que estão a ser resfriados e armazenados em piscinas de água no local. Mycle Schneider diz que estas barras de combustível contêm muito mais césio radioactivo do que aquele que foi emitido durante a explosão em Chernobyl.

“Não há absolutamente nenhuma garantia de que não exista uma fenda nas paredes das piscinas de combustível gasto, e se a água salgada entrar, as barras de aço serão corroídas. Iria basicamente explodir as paredes, mas não se consegue verificar esta situação, pois não se consegue chegar perto das piscinas o suficiente”, disse ele.

O “agravamento da situação” em Fukushima levou um ex-embaixador do Japão a Suíça para pedir a retirada da candidatura olímpica de Tóquio.

Numa carta ao secretário-geral da ONU, Mitsuhei Murata diz que os números de radiação oficiais publicados pela Tepco não são de confiança. Ele diz que está extremamente preocupado com a falta de um sentimento de crise no Japão e no exterior.

Esta opinião é partilhada por Mycle Schneider, quem aclama por uma equipa de intervenção internacional para Fukushima.

“Os japoneses têm o problema em pedir ajuda, e isso é um grande erro; Eles precisam dessa ajuda desesperadamente”.

Fonte: http://www.bbc.co.uk

Crédito Imagem

Anúncios