Estudos Revelam que as Vacinas Contra a Gripe Podem Prejudicar o Coração, Crianças e Fetos

estudos-revelam-que-as-vacinas-contra-a-gripe-podem-prejudicar-o-corac3a7c3a3o-crianc3a7as-e-fetos

Vários estudos revelam que as vacinas contra a gripe podem causar danos no coração, crianças e fetos. É recomendado pelo CDC (EUA) que todas as crianças com seis meses de idade, ou mais velhos, devem receber a vacina contra a gripe estipulada através de um calendário de vacinação altamente questionável. Poderá conferir toda a programação de vacinação aqui .

Um estudo publicado na revista  Vaccine  revela que as vacinas contra a gripe podem causar um aumento considerável na inflamação em mulheres grávidas. Isto pode aumentar o risco de pré-eclâmpsia, que pode resultar na pressão arterial e um aumento da quantidade de proteína na urina. A pré-eclâmpsia pode originar a eclampsia, que são convulsões fatais que as mulheres grávidas podem ter durante o parto.

Um outro estudo publicado no Journal of Paediatrics,  constatou que 85 por cento dos recém-nascidos experimentaram elevações anormais de CRP, quando administradas várias vacinas, e até 70 por cento naqueles que receberam uma única vacina. A CRP é uma proteína encontrada no sangue, o aumento desta proteína é uma forma de combater a inflamação. No geral, foi reportado que 16 por cento das crianças sofreram eventos cardiorespiratórios 48 horas após a administração da vacina.

Por fim, mas não menos importante, um estudo publicado no  International Journal of Medicine revelou algo que não se ouve com frequência. As vacinas contra a gripe resultam em alterações cardiovasculares inflamatórias, que são indicativos do aumento de risco de problemas graves relacionados com o coração, como um ataque cardíaco.

Juntamente com uma reacção inflamatória, a vacina da Gripe A induziu a activação plaquetária e desequilíbrio simpatovagal aumentando a predominância adrenérgica. Foram encontradas correlações significativas dos parâmetros entre os níveis de CRP e HRV (variabilidade da frequência cardíaca), sugerindo uma ligação fisiopatológica entre a inflamação e a regulação cardíaca autonómica. A activação das plaquetas relacionadas com a vacina e a disfunção cardíaca autonómica podem aumentar transitoriamente o risco de eventos cardiovasculares.

Cada vez mais pessoas estão a optar por não tomar a vacina contra a gripe anual, devido aos novos estudos que revelam que as vacinas da gripe podem ser prejudiciais à saúde. Casos como crianças na Europa que estão com desenvolvimento de narcolepsia após terem administrado a vacina contra o H1N1. A vacina Pandemrix também contribui para estas novas decisões por parte dos cidadãos. Infecções periódicas são um desafio da natureza de forma a fortalecer o sistema imunológico, mas com um esquema de vacinação rígido desde o início do nascimento, o nosso sistema imunológico torna-se dependente e fraco ao invés de forte e mais desenvolvido. De facto, durante a pandemia global que foi declarada pela Organização Mundial de Saúde em 2009, os Canadenses tiveram um aumento na taxa de infecção clínica. As vacinas, por conseguinte, podem diminuir a resistência a infecções virais através das suas acções imunossupressoras. O estudo foi publicado nos EUA National Library of Medicine.

Mais de 200 vírus são causadores da Gripe e de doenças semelhantes à gripe, que produzem os mesmos sintomas (febre, dor de cabeça, dores, tosse e escorrimento do nariz). Sem testes de laboratório, os médicos não conseguem diferenciar as duas doenças. Ambas duram dias e raramente levam à morte ou doença grave. Na melhor das hipóteses, as vacinas podem ser eficazes apenas contra a Gripe A ou B, que representam cerca de 10% de todos os vírus existentes. (fonte)

Texto traduzido da seguinte fonte:

www.collective-evolution.com/2013/08/08/studies-find-flu-vaccines-can-harm-your-heart-infant-and-fetus/

Anúncios