Monsanto Compra Blackwater, o Maior Exército Mercenário do Mundo

54-monsanto-compra-blackwater-o-maior-exc3a9rcito-mercenc3a1rio-do-mundo

Um relatório de Jeremy Scahill em The Nation revelou que o maior exército mercenário do mundo, Blackwater (mais tarde renomeada Xe Services e, mais recentemente, “Academi”), serviços de inteligência clandestinas foi vendida para a multinacional Monsanto.

Blackwater foi rebaptizada em 2009 depois de ter sido exposta ao mundo, com inúmeros relatos de abusos no Iraque, incluindo os massacres de civis.  Blackwater continua a ser o maior contratante privado do Departamento de Estado dos EUA de Serviços de Segurança, que pratica o terrorismo de estado dando ao governo a oportunidade de negá-lo e escondê-lo.

Muitos oficiais da CIA e ex-militares trabalham para a Blackwater ou empresas relacionadas, criadas para desviar a atenção de sua má reputação e ganhar mais lucro vendendo os seus serviços, que varia desde a infiltração de informação e inteligência, lobby político e treinos paramilitares de forma a servir outros governos, bancos e empresas multinacionais.  De acordo com Scahill, os negócios com multinacionais, como a Monsanto, Chevron, e gigantes financeiros como o Barclays e o Deutsche Bank, são canalizados através de duas empresas de propriedade de Erik Prince, dono da Blackwater: Total Intelligence Solutions e Terrorism Research Center. Esses directores e conselheiros estão ligados à Blackwater.

Um deles, Cofer Black, conhecido pela sua brutalidade como um dos directores da CIA, foi quem fez contacto com a Monsanto em 2008, como director da Total Intelligence, para contratar a empresa para espionar e infiltrar organizações de direitos das pessoas e animais e actividades anti-transgénicas por parte dos gigantes de biotecnologia.

O executivo da Monsanto, Kevin Wilson, recusou-se a comentar sobre o acordo, mas mais tarde confirmou ao The Nation que tinham contratado a Total Intelligence em 2008 e 2009, apenas para manter o controle de “informações públicas” dos seus opositores, de acordo com a empresa genocida, a Monsanto.  Ele também disse que a Total Intelligence era uma “entidade completamente separada da Blackwater”.

Contudo, Scahill tem cópias de e-mails de Cofer Black, após a reunião com Wilson da Monsanto, onde explica a outros ex-agentes da CIA, usando os seus e-mails da Blackwater, que a discussão com Wilson foi que a Total Intelligence tornou-se o “braço de inteligência da Monsanto, que foi usado para espionar activistas e a oposição contra os transgénicos e contar como infiltravam agentes para desestabilizar as pessoas nesses grupos legalmente. Monsanto pagou $ 127.000 em 2008 e US $ 105.000 em 2009 para a Total Intelligence de forma a realizar esse monitoramento.

Não é à toa que uma empresa se dedique há “ciência da morte”, como a Monsanto, que tem se dedicado desde o início para produzir venenos tóxicos como o Agente Laranja PCBs (bifenilas abordando poli clorados), pesticidas, hormónios e sementes geneticamente modificadas, esteja associada a outra empresa de bandidos.  Esta empresa está relacionada com a explosão de um carro de Boston como discutimos neste programa de vídeo.

Quase simultaneamente com a publicação deste artigo no The Nation, a Via Campesina informou a compra de 500.000 acções da Monsanto, por mais de US $ 23 milhões até à Fundação Bill e Melinda Gates, que com esta compra de acções, tem concluído a retirada da máscara da “filantropia de Gates, ¨. Esta poderia ser uma outra associação que não é surpreendente em tudo… Uma vez que é um casamento entre os dois monopólios mais brutais da história do industrialismo: Bill Gates controla mais de 90% da quota de mercado de computação de propriedade e Monsanto detém cerca de 90% do mercado global de sementes transgénicas e sementes comerciais global.

Não há nenhum outro modo monopólio brutal dentro da indústria, cuja própria existência é uma negação do princípio alardeada de “competição do mercado” do capitalismo.  Tanto Gates e Monsanto são muito agressivos na defesa dos seus monopólios.

Apesar de Bill Gates poder tentar dizer que a Fundação não está ligada ao seu negócio, tudo isto prova o contrário: a maioria das suas doações acabam favorecendo os investimentos comerciais do magnata, realmente não doa nada, mas em vez de pagar impostos para cofres do Estado, ele investe os seus lucros onde é favorável financeiramente (paraísos fiscais), incluindo propaganda das suas supostas boas intenções através da mainstream media.  Por outro lado, a Fundação Bill Gates não esconde as suas “doações” para projectos destrutivos como a Geoengenharia ou a substituição de medicamentos naturais da comunidade por medicamentos patenteados de alta tecnologia nas áreas mais pobres do mundo.  Que coincidência, o ex-secretário da Saúde, Júlio Frenk e Ernesto Zedillo são conselheiros da Fundação.

Como a Monsanto, Gates também está envolvido na tentativa de destruir o pequeno agricultor e a agricultura rural em todo o mundo, principalmente através da “Aliança para uma Revolução Verde na África” ​​(AGRA).  Ele funciona como um cavalo de Tróia para despojar os agricultores africanos pobres das suas sementes tradicionais, substituindo-os por empresas de sementes geneticamente modificadas, como a Monsanto.  Para este fim, a Fundação contratou Robert Horsch em 2006, o director da Monsanto.  Agora Gates, ambiciona grandes lucros financeiros, pois ele foi directo à fonte.

Blackwater, Monsanto e Gates são três lados da mesma moeda: a máquina de guerra genocida contra o capitalismo, contra o planeta e a maioria das pessoas que o habitam, os camponeses, as comunidades indígenas, as pessoas que querem compartilhar informações e conhecimentos ou qualquer outro que não quer estar na égide do lucro e destruição do capitalismo.

Em tantos meios de comunicação, editorialistas e blogueiros que pretendem espalhar a notícia da compra da Blackwater pela Monsanto, haveria de ser considerada um “engano”?

Esta é uma boa pergunta.  O mais alerta de nós poderia suspeitar de um incentivo financeiro próprio destes “jornalistas” da Monsanto.  A Monsanto contratou uma equipa de relações públicas para encontrar blogs críticos e sites que relatam os crimes contra a natureza e a humanidade.  Nós vimos em primeira mão nos comentários sobre os artigos sobre Monsanto em PoliticalBlindSpot.com. Não é fora do reino das possibilidades que têm sido capazes de criar blogs onde os autores escrevem pensamentos orgânicos aparentemente legítimos, comentários e refutações em favor da empresa mega-Monsanto.  Esses sites estão disfarçados como as pessoas na vida real, quando são, na verdade, trabalho de relações públicas para o maior inimigo do planeta, a MONSANTO.

Mas o argumento central daqueles que dizem que a compra da Blackwater não ser verdade, é o facto de que ser possível documentar oficialmente a contratação da Blackwater pela Monsanto durante anos.  Devido à natureza de como ocorre a venda, é impossível documentar uma eventual venda.  A conclusão óbvia e lógica a esta informação privilegiada (em particular na indústria de segurança privada) é de que a venda é real, de facto, a Monsanto é quem tem andado a contratar este tipo de empresas.

Não há nenhuma maneira de documentar oficialmente quem são realmente os proprietários da BlackWater, mas a conclusão lógica seria a de que é a Monsanto, que tem vindo a utilizar estes mesmos mercenários antes da venda.  Isto, é claro, também tem um senso de sigilo em torno do negócio e da identidade dos novos proprietários.  A empresa foi comprada por investidores privados, por meio de empresas de capital privado que não precisa de divulgar publicamente qualquer um dos seus relacionamentos. Além disso, o Bank of America tem proporcionado grande parte do financiamento de US $ 200 milhões para este acordo genocida.

Não é por acaso que há alguns meses atrás foi aprovada uma lei no Congresso dos EUA, que retira qualquer responsabilidade sobre a Monsanto… e agora, compram a maior empresa de mercenários do mundo. Está tudo interligado, siga o dinheiro e você vai descobrir a verdade!

(laverdadnosharalibres.es)

Anúncios