Vitaminas Para Crianças nos EUA Contêm Aspartame, OGM e Outros Químicos Perigosos

Vitaminas Para Crianças nos EUA Contêm Aspartame OGM e Outros Químicos Perigosos

A gama de vitaminas “Flinstones Vitamine”produzida pela farmacêutica Bayer é considerada a primeira escolha perante os pediatras dos EUA, mas esta gama de vitaminas tem na sua constituição ingredientes considerados altamente destructivos para o corpo humano.

Na página oficial desta gama de vitaminas é relatado que 82% das crianças não consomem a quantidade de  legumes necessária, o que implica não ingerirem os nutrientes suficientes.

O problema com este relato é que insinua que as “Flinstones Vitamine” preenchem de alguma forma essa lacuna.

O Que Contém esta Gama de Vitaminas?

Aspartame:

O Aspartame é uma combinação sintética dos aminoácidos ácido aspártico e L-fenilalanina, e é conhecido por ser possível a conversão em metanol formaldeído altamente tóxico para organismo. O Aspartame tem sido associado a mais de 40 efeitos adversos à saúde na literatura biomédica, e foi verificada uma exposição de neuro toxicidade e carcinogenicidade.

Óxido de Cobre:

2mg de óxido de cobre é o que está incluído nas vitaminas mastigáveis ​​da Flinstone, sendo presumivelmente uma fonte ‘nutricional’ de ‘cobre’, fornecendo”100%do valor diário (Idade 4 +), de acordo com a informação nutricional na página oficial da “FlintstonesVitamine”.

Mas o que é óxido de Cobre? Um nutriente ou uma substância química?

De acordo com a Directiva de Substâncias Perigosas da União Europeia, uma das principais leis da EU em matéria de segurança química, óxido de cobre é listado como uma substância perigosa, classificada como ambos “nocivo” e “perigoso para o ambiente”.

Considera-se que tem aplicações industriais como em cerâmica e, como na produção de tecido derayon e pilhas secas. Pode ser tecnicamente correcto considerá-lo um mineral, mas deverá ser listado como um nutriente em vitamina A para crianças?

Corantes Artificiais:

Um efeito colateral bastante conhecido do uso de corantes sintéticos é o deficit de atenção e hiperactividade. Para ter acesso aos estudos e resumos sobre este tema consulte a página sobre a pesquisa de corantes alimentar. Também há indicação de que a neuro toxicidade dos agentes de coloração de alimentos artificiais aumentam quando combinado com Aspartame, fazendo a combinação dos ingredientes na “FlintstonesVitamine” ainda mais preocupante.

Óxido de Zinco:

Cada porção destas vitaminas mastigáveis ​​contém 12 mg de óxido de zinco, que segundo reivindicações do fabricante fornece 75% do valor diário para crianças de 2 e 3 anos de idade. Amplamente utilizado na produção de protectores solares, a Directiva de Substâncias Perigosas da UE classifica-lo como sendo um “perigo ambiental “. Como é que pode ser perigoso para o meio ambiente, mas não para os seres humanos ao ingeri-lo?!

Uma coisa é certa, se é para ingerir zinco suplementar, ou comercializá-lo para uso por crianças, faz muito mais sentido usar uma fórmula que esteja mais ligada organicamente a um aminoácido como a glicínia, sendo mais biodisponível e menos tóxico.

Sorbitol:

O Sorbitol é um açúcar sintético, sendo classificado como o álcool do açúcar. Pode-se argumentar que não tem lugar na dieta humana, e muito menos na dieta de uma criança. A ingestão de maiores quantidades tem sido associada aos distúrbios gastrointestinais e de dores abdominais mais graves, tais como a síndrome do intestino irritável.

Fumarato Ferroso:

Existe um aviso claro no site da Flinstone que refere este produto químico. Embora seja impossível morrer devido ao consumo de ferro que os alimentos contêm, por exemplo, espinafre, Fumarato Ferroso é um mineral industrial e não existe na natureza como alimento. Na verdade, este composto é tão tóxico que overdoses acidentais de produtos que contenham esta fórmula são “uma das principais causas de envenenamento fatal em crianças menores de 6 anos.”

Óleo de Soja Hidrogenado:

Encontrar óleo hidrogenado em produtos comercializados para as crianças é absolutamente inaceitável. Esses ácidos semi-sintéticos incorporam-se nos nossos tecidos e têm sido associados a mais de uma dúzia de efeitos adversos à saúde, desde a doenças arteriais coronárias até ao cancro, tendo um comportamento bastante violento no fígado.

Amido de Milho Modificado Geneticamente:

Exista quem argumente de que a quantidade de amido de milho GM neste produto é insignificante. É importante manter marcas responsáveis ​​que se recusam a rotular os seus produtos, especialmente quando eles contêm ingredientes que tenham sido produzidos por modificação genética.

É bem provável que a ‘vitamina C’ listada como ácido ascórbico nesta gama Flinstones seja produzida a partir de milho transgénico. Vamos lembrar que a divisão Ag-biotecnologia da Bayer, a Bayer CropScience, investiu $ 381,600 de dinheiro para derrotar a proposta do projecto lei 37 que implicava a rotulagem de OGM na Califórnia.

Os pais têm o direito de proteger os seus filhos contra os perigos conhecidos de alimentos geneticamente modificados e os agro tóxicos que contaminam-los, não é?

(Pakalert Press)

Anúncios